segunda-feira, 13 de março de 2017

Adélia Prado

E que esse amor não demore a chegar. O amor feinho, a que se refere Adélia, é o amor simples, cotidiano, sem os efeitos e enfeites da imaginação romântica cinematográfica. Queria muito encontrar um amor feinho, para passar o resto da minha vida com ele.

Eu quero amor feinho.

Amor feinho não olha um pro outro.
Uma vez encontrado, é igual fé,
não teologa mais.
Duro de forte, o amor feinho é magro, doido por sexo
e filhos tem os quantos haja.
Tudo que não fala, faz.
Planta beijo de três cores ao redor da casa
e saudade roxa e branca,
da comum e da dobrada.

Amor feinho não tem ilusão,
o que ele tem é esperança:
eu quero amor feinho.
Adélia Prado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça seu comentário abaixo: