sábado, 20 de fevereiro de 2016

Humberto Eco





Morre o escritor italiano Umberto Eco aos 84 anos


IO - O semiólogo, filósofo e escritor italiano Umberto Eco morreu nesta sexta-feira aos 84 anos. Ele era autor de sucessos como "O nome da rosa" (1980) e "O pêndulo de Foucault" (1989). Seu último livro, "Número zero", foi lançado em 2015 e saiu no Brasil pela Record.
O autor morreu por volta de 22h30m em sua casa em Milão. As causas da morte, no entanto, ainda não foram divulgadas. Ele nasceu na cidade de Alexandria, ao Norte da Itália, em 5 de janeiro de 1932. Antes de começar a escrever romances de sucesso comercial, por volta dos 50 anos, Eco escreveu diversos ensaios sobre a semiótica, a estética medieval, linguística e filosofia. Seus primeiros trabalhos publicados eram estudos sobre a obra de São Tomás de Aquino.
O autor também exerceu influência ao estudar fenômenos de comunicação de massa, como programas de televisão, publicidade e histórias em quadrinhos. Desde 2008, era professor emérito e presidente da Escola Superior de Humanidades da Universidade de Bolonha.
Tido como um dos maiores intelectuais italianos, Eco se firmou como um dos grandes nomes da nova narrativa italiana. Era dono de uma prosa que misturava, em mesma medida, erudição, humor e referências da cultura pop.
Estreou em 1962 com "Obra aberta" e, desde então, entre estudos acadêmicos e romances, publicou clássicos como "Apocalípticos e integrados" (1964), "A estrutura ausente" (1968), "O super-homem de massa" (1978), "Lector in fabula" (1979), "O pêndulo de Foucault" (1989). "Como se faz uma tese", o melhor amigo de gerações de universitários, foi publicado em 1977.
"O nome da rosa", seu maior sucesso, vendeu milhões de exemplares e se passa durante a idade média, quando uma série de ccrimes acontecem em uma abadia. O livro foi adaptado para o cinema em 1986, por Jean-Jacques Annaud, com Sean Connery como o frade franciscano Guilherme de Baskerville e Christian Slater como o noviço Adson von Melk.

— Somos 7 bilhões no mundo, então o número dos meus leitores é mínimo, mas alguns querem um desafio, querem que um livro seja uma provocação para a inteligência, um esforço. Os editores acham que o leitor quer coisas fáceis. Mas, para isso, ele já tem a televisão. Ninguém consegue explicar por que o único livro fácil que escrevi, "A misteriosa chama da Rainha Loana" (2004), não interessou a ninguém. Tudo chega mastigado. Escrevo para os masoquistas que querem ser maltratados — disse em entrevista ao GLOBO em dezembro de 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça seu comentário abaixo: