quinta-feira, 4 de junho de 2015

LITERATURA-PERIFÉRICA-GANHA-ESPAÇO-FORA-DO-CIRCUITO-DE-SARAUS.


Livros e autores marginais circulam por todo o Brasil e até outros países, além de começarem a chegar ao sistema de ensino. Novas formas de apresentação, como o slam, uma competição de poesia, têm contribuído para a expansão.
Por Cinthia Gomes
No começo de junho, ocorre a Copa do Mundo de poesia, em Paris. O evento terá a participação de competidores de 24 países, entre eles o Brasil. O mineiro João Paiva venceu o torneio nacional Slam BR no fim de 2014 e se classificou para representar o país. Ele aposta na performance para conquistar os jurados franceses. 
 
O slam foi criado nos Estados Unidos na década de 1980 e chegou ao Brasil há sete anos. Atualmente, existem 15 competições em todo o país. Trata-se de uma apresentação de poemas próprios sem a utilização de acompanhamento musical, cenário ou outros elementos. A interpretação é feita apenas com o uso da voz e do corpo. E já existem diversas modalidades, como explica o organizador do Slam do Grito, Lews Barbosa.
 
A literatura periférica tem circulado cada vez mais também fora da periferia. No ano passado, os saraus de São Paulo foram convidados para a Feira do Livro de Buenos Aires, na Argentina. O poeta Binho, que organiza um sarau com o nome dele em Taboão da Serra, na Região Metropolitana, participou da viagem.
 
E, por causa da importância da atuação dos saraus no incentivo à leitura em bairros afastados da região central de São Paulo, o segmento foi incluído nas discussões do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Biblioteca. Um dos representantes da literatura periférica na elaboração do plano, o escritor Ruivo Lopes, do coletivo Perifatividade, explica que eles reivindicam maior diversidade de autores e editoras nos livros adquiridos para as bibliotecas públicas.
A expectativa é que o Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Biblioteca da capital paulista seja finalizado em julho depois da realização de audiências públicas.
Slam do Grito, realizado no Sacomã, é um dos 15 torneios de poesia do país (Crédito: Cinthia Gomes/CBN)Slam do Grito, realizado no Sacomã, é um dos 15 torneios de poesia do país
(Crédito: Cinthia Gomes/CBN)


Leia mais: http://cbn.globoradio.globo.com/series/poesia-na-periferia/2015/06/03/LITERATURA-PERIFERICA-GANHA-ESPACO-FORA-DO-CIRCUITO-DE-SARAUS.htm#ixzz3c9OVR6C7

2 comentários:

Willmondes disse...

Essa literatura dita "marginal", por estar às margens dos circuitos tradicionais, revelam as mais variadas expressões literárias em geral, sobretudo a poética.

Adorei essa postagem. Sabe, Rosa, sempre bom vir aqui apreciar teu bom gosto naquilo que publica.

rosadaserra disse...

Agradeço seu carinho e sua atenção. Meu blog mais se assemelha a um diário em que vou "anotando" tudo aquilo que sinto necessidade de guardar com carinho.
Abraço amigo.

Postar um comentário

Faça seu comentário abaixo: