segunda-feira, 4 de maio de 2015


Carta para meus alunos.




Fui professora do estado de Minas Gerais por 25 anos.Durante todo esse tempo enquanto eu ensinava, eu também aprendia. Fiz duas Especializações e inúmeros outros cursos  de atualização profissional. Sempre no desejo de ser e de fazer o melhor pelos meus alunos.


Confesso que em relação aos governantes não tive o reconhecimento esperado e ao qual tudo fiz para merecê-lo.
A maioria de meus alunos  fizeram, com sacrifícios e muita força de vontade, a diferença na construção de suas histórias de vidas. Histórias que acabam se tecendo junto à minha história pessoal e profissional.
A estes alunos, a minha gratidão. Porque a eles ofereci o melhor de mim, e deles tive o merecido respeito e o mérito pela minha prática como educadora.




Espírito da gente, dizia Guimarães Rosa, é cavalo que escolhe estrada, quando ruma para a tristeza e morte, vai não vendo o que é bonito e bom.
Fecho o meu recado a vocês, meus caros alunos, recorrendo aos versos do prosador poeta, Guimarães Rosa.
Primeiro, porque desejamos que os educadores e os educandos caminhem pela estrada do bem e do belo. Que não fechem os olhos para a violência, a injustiça, o preconceito, o desamor, a indiferença... Por outro lado, que não sigam feito cavalo desembestado, para o pessimismo, a tristeza, a morte.
Segundo, porque desejamos que o ensinar e o aprender seja o fio forte e belo de um texto entrelaçado de amor, conhecimento, cognição e afetividade. Que o educador-artesão, com arte e competência, siga tecendo novos rumos para a história.
Educar  supõe interação, clareza da realidade, ousadia para provocar mudanças necessárias e significativas, tendo a justiça e a ética como eixos norteadores. Assim, o educador há de fazer do cotidiano um processo que favoreça ao educando, buscar com doçura e coragem os verdadeiros sentidos e significados de uma vida plena. Plena de atitudes coerentes na qual todos tenham igual direito à felicidade. Que a poética da vida seja uma leitura crítica, para fazer com que a criança e o jovem sejam capazes de construir com poesia, novos caminhos.

Educação é obra-prima  que implica uma equivalência semântica e acompanha o desenvolvimento intelectual do aluno aliado à sua experiência pessoal, ao vivido e ao vivenciado. O trabalho em sala de aula é capaz de captar a essência, o sutil, que nos leva à dimensão poética da existência humana.

Com respeito,

Rosa Maria Olímpio

04/05/2015


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça seu comentário abaixo: