quinta-feira, 16 de abril de 2015

ARTIGO DE OPINIÃO

A mobilização das ONGs no enfrentamento da exploração sexual comercial de crianças e adolescentes

Maria Lúcia Pinto Leal

Diminuir Fonte

O livro A mobilização das ONGs no enfrentamento da exploração sexual comercial de crianças e adolescentes é o primeiro estudo no Brasil que teve como ponto de partida a análise da mobilização da sociedade civil (ONGs, fóruns etc.) na construção de processos emancipatórios que garantissem a proteção dos direitos sexuais de crianças e adolescentes em situação de exploração sexual comercial, no período de 1993 a 2004, pós-Constituição de 1988 e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), de 1990.

É orientado por uma visão crítica da sociedade e vai compreender essa questão a partir das relações construídas pela sociedade global neoliberal e o aspecto machista e racista que permeia a exploração sexual comercial de crianças e adolescentes (ESCCA) no Brasil, e a força da sociedade de resistir à opressão e às formas diversas de exploração do trabalho infantil.

Esta tese de doutorado mostra que, mesmo se tratando da mobilização das forças sociais no agendamento dos direitos de crianças e adolescentes junto às politicas sociais brasileiras, como uma expressão política de baixo para cima, não significa que construímos a emancipação humana desses sujeitos, pois não conseguimos incidir contra a ordem do capital neoliberal que assolou o Brasil em 1995, nem desconstruir as desigualdades de classe, de gênero, raça e homofobia, embora temos observado avanços significativos nestas áreas.
Porém, essa questão ainda se mantém utópica. Parafrasendo o professor Carlos Lima, “mais uma vez se confirma a perspectiva marxiana de que a emancipação humana é impossível no círculo de giz do modo de produção capitalista. Neste, só é possível, e assim mesmo com restrições, a emancipação política”.


ATENÇÃO
O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor e expressa sua visão sobre assuntos atuais. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça seu comentário abaixo: