sábado, 28 de fevereiro de 2015

Entidade de Coronel Murta e PM de Itaobim cuidam da recuperação de dependentes químicos no Vale do Jequitinhonha

http://www.gazetadearacuai.com.br/noticia/4090/entidade_de_coronel_murta_e_pm_de_itaobim_sao_destaques_do__caldeirao_do_huck/


Notícias » Cidades

26/02/2015 - 10:56 - Fonte: Gazeta de Araçuai

Entidade de Coronel Murta e PM de Itaobim são destaques do Caldeirão do Huck

A entidade e o policial, cuidam da recuperação de dependentes químicos no Vale do Jequitinhonha

Foto: divulgaçãoEntidade de Coronel Murta e PM de Itaobim são destaques do  Caldeirão do Huck
O Policial Militar Abrão Júnior vai participar do quadro Agora ou Nunca. Ele participou de treinamentos nos estúdios do programa no Rio de Janeiro.


Com o avanço do consumo de drogas em todo o país é cada vez mais raro encontrar vaga em locais que tratam dependentes químicos. Seja em um hospital de referência ou em comunidades terapêuticas, a busca por tratamento é intensa.

Na contra-mão dessa realidade, uma instituição localizada na zona rural de Coronel Murta , no Vale do Jequitinhonha,   e o trabalho de um policial militar, na mesma região,  acabaram chamando a atenção do apresentador Luciano Huck, da TV Globo.

A luta do policial e da  instituição, na recuperação de dependentes químicos, será tema do quadro  “ Agora ou Nunca”, do Caldeirão do Huck que vai ao ar na tarde deste sábado  (28).

O Policial  que enviou uma carta para o programa, vai participar do quadro  onde terá que mostrar a sua habilidade para vencer inúmeras provas de diferentes graus de dificuldades.

Caso tenha êxito e vença todos os desafios leva para casa um cheque de R$ 30 mil que ele pretende doar à Comunidade Terapêutica Sementes de Paz, localizada em Coronel Murta.

Equipes de Produção do programa estiveram em Coronel Murta e Itaobim para gravar imagens e depoimentos.


Pastor Joel Pereira ( de chapéu) fundador e mantenedor da Comunidade Sementes de Paz
Pastor Joel Pereira ( de chapéu) fundador e mantenedor da Comunidade Sementes de Paz



Sem ajuda financeira , o pastor Joel Pereira dos Santos, 50 anos,  plantou há dois anos a semente da Comunidade Terapêutica para tratar dependentes químicos em Coronel Murta.


Ele fez uma aliança com o Cabo PM Abrão Júnior, militar que atua no PROERD – Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência e em projetos sociais na área da 26ª Companhia da Polícia Militar em Itaobim.


Desta parceria, nasceu a Comunidade  Sementes de Paz, que foi instalada  em um prédio construído em 2000 para abrigar uma escola  que nunca funcionou.


Em 2013, com aprovação da Câmara,   a prefeitura de Coronel Murta, através de um contrato de comodato,  cedeu o imóvel, que fica na Comunidade Terra Vermelha a 20 km do centro da cidade, para o pastor executar a obra. “Agradeço ao prefeito Eletâncio Freire, à Câmara dos Vereadores, ao promotor Leonardo Morroni e a Policia Militar que  acreditaram no projeto”, disse o pastor.


Com capacidade  para atender até 80 pessoas, atualmente a Sementes de Paz abriga 14 residentes.


Um deles é o motorista Natim Reis Viana, 38 anos, natural de Itaobim e  que está na  Comunidade há 7 meses.


“Cheguei aqui pesando 60 quilos e muito debilitado. Hoje estou com 80 quilos e recuperado. Perdi tudo que tinha: família, emprego, amigos. No caminho que eu estava andando, eu hoje não estaria vivo. Antes de vir para cá, minha vida não tinha mais sentido. Aqui na Sementes da Paz, encontrei uma razão de viver”, conta Natim que durante 27 anos, foi usuário de álcool e crack.

Comunidade Terapêutica ocupa prédio de uma escola da zona rural e que nunca funcionou
Comunidade Terapêutica ocupa prédio de uma escola da zona rural e que nunca funcionou

O processo para ingressar na Sementes de Paz , de acordo com o pastor, é simples e basta apenas a pessoa querer


Ele reclama da falta de apoio financeiro. “ Com a ajuda da empresa  Mining Services , gasto  entre 15 a 20 mil para manter a obra”, diz Joel que é um dos acionistas da empresa do setor mineral.


“ Já estamos aptos a receber recursos governamentais, mas até o momento não recebemos nada. Se houvesse mais ajuda, poderíamos receber mais pessoas”, lamenta o pastor.


Recuperação
Os residentes participam de atividades variadas na Comunidade Terapêutica
Os residentes participam de atividades variadas na Comunidade Terapêutica




O processo de recuperação do dependente dura de 6 meses a 1 ano. Após este prazo ele recebe um certificado do tratamento.


Na Comunidade, ele participa de  atividades como o plantio de hortaliças, criação de pequenos animais, além de atividades esportivas e espirituais.


Os residentes contam com acompanhamento de uma equipe multidisplinar do CRAS da prefeitura municipal.

O prédio,  é dotado de quatro salas amplas, banheiros azulejados, biblioteca, refeitório e quadra esportiva.

 De acordo com o pastor Joel, ainda este ano, será implantado o projeto de lapidação doado pela empresa Lufi, que atua no município.

Ainda segundo ele, a instituição pretende ampliar o atendimento para mulheres, em uma outra fazenda já adquirida. " Só depende de recursos", afirma Joel Pereira.

Quem quiser colaborar com o projeto, as doações tanto financeiras quanto de roupas de cama, colchões  e cestas básicas podem ser feitas através de contato pelos telefones ( 033 ) 8834.81.86-  (33) 9976.17.29 ou ainda pelo 33- 3735.17.29  ( pastor Joel )

Cabo Abrão - 33- 8848.32.20/ 9987.07.83

Doações financeiras
Banco Itaú- agência 5534
Conta Corrente-02234-7


Sérgio Vasconcelos
Repórter




6/02/2015 - 10:56 - Fonte: Gazeta de Araçuai

Entidade de Coronel Murta e PM de Itaobim são destaques do Caldeirão do Huck

A entidade e o policial, cuidam da recuperação de dependentes químicos no Vale do Jequitinhonha

Benefícios da relação entre avós e netos


Benefícios da relação entre avós e netos

Postado por: Equipe Terceira Idade | Em: Casa e Família
avó-e-neto
A relação saudável entre avós e netos 
Quando dizem que ser avó é ser mãe duas vezes, não estão mentindo. Com a chegada dos filhos todo homem e mulher muda, mas quando os netos nascem dá a impressão de que as mudanças são ainda maiores. Você aprende a ser ainda mais paciente e flexível, entende que os netinhos também precisam do espaço deles e, claro, fazem todos os gostos das crianças e adolescentes.
Aliás, esse último aspecto é o que mais incomodam os pais, não é mesmo? Afinal, quem nunca ouviu reclamações dos filhos alegando que estão ‘mimando’ demais a criança ou que não podem fazer todas as vontades dos netos?
O que acontece, de fato, é que como os avós possuem um tempo maior para ficar com os pequenos, afinal, já estão aposentados, conseguem manter um relacionamento mais leve e divertido com o neto. Sendo assim, conseguem conversar, realizar tarefas juntos, brincar, partilhar momentos, entre outras tarefas típicas do cotidiano de um avô e uma avó que todos nós sabemos.
Mas, você sabia que a relação entre avó e neto traz muitos benefícios tanto para a criança como para o idoso? Quer saber quais são eles? Então confira abaixo:
Benefícios para os netos:
  • Proteção e amor: A infância é um período marcado por muitas descobertas e transformações na vida da criança que começa a transitar para a adolescência. Neste momento, o papel dos avós é orientar sobre como são as mudanças e em que elas acarretam. E uma das melhores maneiras de fazer com que o pequeno aceite as transformações é lhe proporcionando muito carinho, amor e atenção. Dessa forma, com o carinho dos mais velhos, meninos e meninas sentem-se mais protegidos das mudanças.
  • Personalidade da criança: atuar fortalecendo os vínculos afetivos e familiar da criança ajuda na formação da sua personalidade. Isso porque é justamente nos primeiros anos da infância que são delineadas as principais características do jeito. Por isso, é importante que a família esteja perto e prestando o devido suporte físicas e psicológicas da criança.
  • Respeito pelos mais velhos: a companhia do avô ou avó faz com que a criança entenda como é ser mais velha e, diante disso, aprenda a respeitá-los, aceitando suas diferenças e a entendendo suas limitações.

Benefícios para as avós
  • Afasta a depressão: A boa relação entre ambos ajuda a reduzir os sintomas da depressão nas duas gerações. No caso dos netos, a relação ajuda a passar uma maior segurança. Já para os avós, a criança representa um tempo de renovação que lhe aproxima da juventude.
  • Ajuda a ficarem mais ativos: O contato com a criança distrai e ajuda a te deixar mais ativo, fazendo com que você se sinta mais útil. Isso porque, com a convivência com a criança estimula o idoso a realizar atividades que exijam mais movimentação, como brincar no parque, passear no shopping, etc.
  • Troca de gerações: Esse é um aspecto que costuma ser muito produtivo para o idoso, pois os netos ensinam as particularidades da sociedade moderna. Como novas ferramentas tecnologias, vestimentas, mudanças no cotidiano, entre outros fatores.

Leitura e vida.



Penso que falta às pessoas, de modo geral, um envolvimento maior com a leitura.
E não apenas leitura de livros mas leitura de mundo, daquilo que se vê e que se ouve.
Penso também que precisamos ter cuidado e muito critério com o que se convenciona chamar de "incentivo à leitura".
Nem sempre ler livros significa atribuir-lhes sentido e nem sempre comprar livros significa envolvimento com a leitura.O cuidado e a atenção vão além disso. É preciso ofertar aos jovens as ferramentas necessárias para que ele faça uma leitura consciente e crítica.Esse é um cuidado que envolve a família, a escola e a sociedade. Só assim teremos uma juventude mais ativa, atenta e, consequentemente, mais participativa.




Diálogos: Letramento Digital

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Letramento e competências: construindo novos paradigmas na escola. Marcia Elizabeth Bortone







Filippo Palizzi



Importante acessar o link e ler o texto na íntegra.


http://www.uft.edu.br/pgletras/revista/capitulos/13_letramento_e_compet%C3%AAncias_construindo_novos_paradigmas_na_escola.pdf



Letramento e competências:
construindo novos paradigmas na escola. 


Professora Doutora Márcia Elizabeth Bortone

É necessário, portanto, que o professor leve seu leitor em formação a entender para que “serve” ler determinado texto, ou, em outras palavras, leve-o a perceber a função social da leitura. Para tal uma das condições é que se trabalhe na perspectiva dos gêneros, que se constitui como premissa fundamental do trabalho pedagógico em língua materna. Essas reflexões estão alicerçadas a uma visão interacionista e sociodiscursiva (cf. SCHNEUWLY e DOLZ, 2004), e é uma das vertentes dos estudos que pretendem descrever as características enunciativo/discursivas do funcionamento dos gêneros do discurso e, a partir dessa abordagem selecionar, planejar e projetar estratégias de ensino/aprendizagem que possam ser aplicadas nas práticas didáticas. Dessa maneira entendemos que a leitura dos inúmeros gêneros textuais (orais e escritos) determina, em grande medida, a forma como pensamos e agimos no e sobre o mundo; compreendemos, ainda, que a leitura só pode ser construída em uma perspectiva discursiva e interacional, vista, portanto, de forma contextual, no interior de práticas socioculturais. A leitura, nessa perspectiva, é uma atividade na qual se considera as experiências e conhecimentos do leitor. Por isso, Koch & Elias (2006) propõem o foco na interação autor texto leitor. Nesta concepção interacional e dialógica de língua (cf. BAKHTIN, 2004), os sujeitos são tidos como atores/construtores sociais, ou seja, são protagonistas que, dialogicamente, se constroem discursivamente, seja pela oralidade ou pela escrita. Bronckart (apud Marcuschi, 2008) afirma que a apropriação dos gêneros textuais é um mecanismo fundamental para a nossa socialização, uma vez que são formas de legitimação discursiva que construímos em nossas interações socioculturais.

 ENTRELETRAS, Araguaína/TO, v. 3, n. 2, p. 192-203, ago./dez. 2012 (ISSN 2179-3948 – online)

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Vera Masagão Ribeiro



Informações bibliográficas

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO ATRAVÉS DA FOTOGRAFIA.





Flamboyant




Sugestão de trabalho de pesquisa com discentes.



www.sistemas.ufrn.br/shared/verArquivo?idArquivo=1600957&key 



ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO ATRAVÉS DA FOTOGRAFIA


                                                                                 AUTORAS

                                                                                      ANA PAULA
ATAÍZE MOTA DA SILVA
                       RAYANE EMANUELLE DE O. VALENTIM 

O projeto “Reforços na alfabetização através da arte” toma como princípio o aprendizado dos conteúdos alfabetizadores dentro de uma perspectiva da troca de saberes, entre os alunos de uma turma de Jovens e Adultos da Escola Municipal Ulisses de Góis e estudantes pertencentes ao PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. O trabalho foi desenvolvido com a supervisão da professora Nora Ney Fonseca Batista e orientado pelas professoras: Drª Érika dos Reis Gusmão Andrade e Elda Silva do Nascimento Melo. 

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Letramento Digital



Letramento Digital

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

“Ler é melhor que estudar” Ziraldo,

                                   https://www.youtube.com/watch?v=6BYbPrMNvYw

Na UnB.



Coisas que a gente vê -e também pode colher- nos 

jardins da UnB