quarta-feira, 6 de outubro de 2010

"É mais belo dar apenas por haver compreendido."


Que se afastem de mim aqueles que sempre precisam dar seu palpite. Que se afaste de mim o conversador, aquele que tem sempre um conselho a dar. Que sabe tudo. Livra-me daqueles que dão respostas a perguntas que nem sequer formulei que têm respostas todas prontas. Livra-me daqueles que nem sequer querem ouvir que não têm paciência para escutar, que não têm amor para compartilhar, que não têm paciência para dialogar, daqueles que julgam ter sabedoria suficiente para distribuir, daqueles que não têm vontade de acolher, de aceitar, de respeitar, de compreender, daqueles que exigem que sejamos como eles. Dos azedos. Livra-me também daqueles que não têm tempo para perder, daqueles que estão preocupados apenas consigo mesmos, o problema dos outros não lhes interessa.
Apesar de tudo, quero um coração que escuta, quero força para acolher o outro, para compreendê-lo, para aceitá-lo. Quero deixar que o outro seja ele mesmo. Que mereça minha confiança, que eu procure junto com ele, uma solução, uma saída, um caminho, uma luz, sem exigir dele uma atitude falsa, farisaica, mentirosa.
Desejo ter compreensão e respeito pelas dificuldades, pelas angústias, pela boa vontade do outro, sem empurrá-lo, sem deixá-lo para trás.
Desejo ter um coração que escuta. Quero o dom de tolerar com paciência aqueles que pensam que somos uns idiotas, de miolos moles. Quero serenidade para ouvir os conselheiros de última hora, dos que dão palpites sobre nossa vida, sobre nosso modo de ser, sobre nossos gostos. Que se afastem de mim aqueles que adorariam que fôssemos todos iguais a eles.
Que eu não seja pedra no caminho de ninguém. Que ninguém se entristeça e sofra por causa de minhas atitudes, ainda que elas estejam cheias de boas intenções.Que eu possa dar apenas por haver compreendido. Assim, quero compreender.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça seu comentário abaixo: